84 – Rose Bertin

04.07.15CM

Julho 2015

Rose Bertin, nascida em 02 de julho de 1747, foi uma modista que teve uma ascensão meteórica no mundo da moda parisiense, alcançando pleno sucesso em 1772, quando ela abriu sua própria loja – Marchande de Modes, depois de ter atuado de forma independente durante anos. Esta empreitada fez com que ela rapidamente conquistasse uma clientela abastada, mas ninguém iria se revelar tão importante para a sua carreira do que a rainha da França Marie-Antoinette, que se tornou sua patronesse em 1774 – um relacionamento de significativas contribuições para a história da moda.

Rose Bertin - Cleon Gostinski - Fonte The Art of Dress
“Marchande de Modes” imagem publicada por Robert Bénard’s Encyclopédie (1777) e reproduzida por Kristen Chrisman-Campbell’s “Fashion Victims” (2015)

Um termo normalmente não familiar para nós atualmente, Marchande de Modes se traduz literalmente como “mercador da moda”, mas Bertin e seus contemporâneos eram muito mais do que meros fornecedores de roupas. Na Marchande de Modes, aconteciam atuações visionárias e inventivas, muito além de costumeiros trabalhos de costureiras ou modistas: primeiramente a criação e depois a rigorosa supervisão da execução de quantidades pródigas de bordados, rendas, fitas e outros detalhes e acabamentos tão apreciados na época. No que diz respeito aos chapéus, as propostas eram sempre ainda mais inventivas, incluindo a presença de penas, frutas e flores. Bertin dedicava-se com afinco a produzir adornos de cabeça extravagantesitens de moda fundamentais e definidores de status nos anos de 1770.

Rose Bertin1 - Cleon Gostinski - Fonte The Art of Dress
Imagem de 1778 pertencente a coleção do Franco-American Museum no Castelo de Blérancourt

Como consultora de moda para a rainha da França, Bertin foi fundamental na criação dos mais requisitados visuais extravagantes da época. Na verdade, era tão renomada a influência dela no estilo da rainha, que ela tornou-se conhecida na imprensa como a “ministra da Moda“. No auge de sua carreira, Bertin ostentava mais de 1500 clientes de algumas das famílias mais ricas do mundo. Além de Marie Antoinette, vestiu também as rainhas de Espanha, Suécia e Portugal, bem como numerosos outros membros da aristocracia e celebridades.

Enquanto os excessos de Marie-Antoinette na maneira de vestir, bastante incentivados por Bertin, foram, talvez, um dos elementos definidores do seu reinado, eles também, notoriamente, determinaram a sua queda. Como autor Kimberly Chrisman-Campbell escreveu apropriadamente “Marie-Antoinette é lembrada como uma definitiva vítima da moda.” Na verdade, o guarda-roupa decadente da rainha tornou-se um símbolo para a libertinagem da família real, uma representação visual do estilo de vida sem remorso de luxo e autoindulgência, que evidenciava incrivelmente a disparidade de riqueza que existia entre a realeza e seus súditos cada vez mais descontentes e empobrecidos.

Rose Bertin2 - Cleon Gostinski - Fonte The Art of Dress
Pintura de Claude-Louis Desrais que ilustra um estilo cheio de ostentação, característico do reinado de Marie-Antoinette. Imagem do Museum of Fine Arts de Boston

Tudo chegou a um ponto de ebulição em 1792, quando multidões enfurecidas invadiram o château des Tuileries, onde a família real tinha estado sob prisão domiciliar desde a Revolução Francesa que havia começado em 1789. Qualquer pessoa associada com a aristocracia era também alvo do novo governo, que procurou purgar-se da riqueza devassa. Bertin teve sorte de escapar do país, sem o mesmo destino de sua patronesse Marie-Antoinette que conheceu sua morte na guilhotina em 1793.

Bertin foi finalmente capaz de continuar seu trabalho, mas o seu negócio e nome nunca mais alcançaram a glória dos dias pré-revolucionários. Os tempos mudaram e com eles a moda. Ela morreu em 1814.

Rose Bertin3 - Cleon Gostinski - Fonte The Art of Dress
Vestido da corte dos anos 1780 pertencente à coleção do Royal Ontario Museum, possivelmente usado por Marie-Antoinette e uma das obras-primas de Rose Bertin
Rose Bertin4 - Cleon Gostinski - Fonte The Art of Dress
Marie-Antoinette – rainha da França pintada por Elisabeth Louise Vigée-LeBrun, 1778
Rose Bertin5 - Cleon Gostinski - Fonte The Art of Dress
Jean-Françoise Janine, depois Louise Trinquesse, “Marie-Jeanne “Rose” Bertin,” n.d. Imagem publicada por Kristen Chrisman-Campbell em “Fashion Victims” (2015)
Informar Erro

Informar ErroClose

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Complete o Raciocínio *